© 2015 por Daniel Sabatini

Para marcar uma consulta

Guaçuí-ES (28)3553-1339

Muriaé-MG (32)3722-3196​

 

 

Osteopenia e Osteoporose

 

A osteopenia e a osteoporose são condições que ocorrem com o envelhecimento normal do corpo humano. Durante o nosso desenvolvimento, há um momento em que o esqueleto é mais forte. Esse momento é conhecido como pico de massa óssea e ocorre por volta dos 25 anos na mulher e por volta dos 30 anos no homem.

 

A partir desse momento, vamos perdendo massa óssea lentamente com o passar dos anos até que a diminuição dos hormônios sexuais faz com que haja uma aceleração dessa perda. O momento em que há essas alterações hormonais é conhecido na mulher como menopausa e no homem como andropausa.

 

Entretanto, há uma diferença significativa de tempo entre esses fenômenos. Na mulher, ocorre por volta dos 50 anos e, no homem, por volta dos 65 anos. Dessa forma, o homem fica mais protegido do que a mulher para o desenvolvimento de osteoporose clínica durante a vida.

 

A perda de massa óssea, portanto, é um fenômeno natural. Inicialmente, ocorre ostoepenia que vai progredindo até se tornar osteoporose. Entretanto, felizmente, essa evolução natural pode e deve ser interrompida através de tratamento médico.

 

Atualmente, o tratamento é baseado na avaliação clínica complementada com exames de sangue e de imagem (vitamina D e densitometria óssea). Também utilizamos uma ferramenta da organização mundial da saúde, chamada FRAX, para basearmos nossa conduta.

 

Uma dúvida comum é em relação ao intervalo de realização dos exames de densitometria óssea. Ela pode ser realizada anual ou bianualmente conforme a situação. Entretanto, deve ser sempre realizada um ano após o início de qualquer tratamento.

 

Além disso, uma dúvida sempre levantada é sobre quando iniciar a prevenção e sobre quando fazer os primeiros exames. O que levamos em consideração para responder a essas questões é o estado de saúde geral da pessoa, peso corporal (osteoporose é mais comum em pessoas magras), presença de fatores de risco (tabagismo, etilismo, uso de corticoides, menopausa precoce, sedentarismo) e história familiar. Em geral, recomendo avaliação inicial em mulheres hígidas dois anos após a menopausa. Em homens hígidos, aos 65 anos. A realização de densitometria óssea é obrigatória em mulheres a partir dos 60 anos e homens a partir dos 70 anos.

 

O tratamento da osteoporose é feito com atividades físicas, principalmente, musculação e medicações. É importante salientar que a musculação (academia, pilates, TRX) é capaz de aumentar a massa óssea e, por isso, é muito importante para o tratamento. Dessa forma, todos que puderem devem fazer atividades de musculação.

 

Dentre as medicações, as mais comumente utilizadas são o cálcio, a vitamina D e os medicamentos que evitam a perda de massa óssea. Entre esses medicamentos, os mais conhecidos são o alendronato, risedronato, ibandronato e raloxifeno. Em situações especiais, podemos utilizar a teriparatida, ranelato de estrôncio, ácido zoledrônico e o denosumab. Este último, em especial, é um medicamento muito promissor porque sua posologia é confortável (6/6 meses) e ele é capaz promover a reversão, e não só evitar a piora, de casos graves de osteoporose.

 

A terapia de reposição hormonal para mulheres ou homens também é usada no tratamento e é muito benéfica em mulheres com menopausa precoce e homens com andropausa precoce sem contraindicação ao método.O tratamento da osteoporose pode ser conduzido por geriatras, ginecologistas, endocrinologistas e ortopedistas. Nos casos em que há alterações hormonais precoces ou doenças associadas, é conduzido de forma multidisciplinar (urologistas-ortopedistas; ginecologistas-ortopedistas etc).